Contato : +55 19 3365 4900

Artigos

O escritório gera conteúdo próprio e reconhecido pelo mercado.
Aqui você encontra todos os artigos escritos pelos nossos advogados.

Rescisão Indireta do Contrato de Trabalho

Rescisão Indireta do Contrato de Trabalho

Não raras vezes ouvimos um trabalhador comentando que a empregadora vem agindo de forma a tornar impossível ou insuportável a continuidade da prestação de serviços, o que leva alguns ao efetivo pedido de demissão, sem direito ao recebimento de várias verbas trabalhistas.

Por isso faz-se necessário esclarecer que a CLT prevê situações que permitem ao trabalhador buscar, perante a Justiça do Trabalho, o rompimento do contrato de trabalho, devido a falta grave praticada pelo empregador, o que é denominado rescisão ou despedida indireta da relação empregatícia.

O empregado que pleitear a rescisão indireta, necessariamente, deverá provar o ato grave e faltoso do empregador, quer por meio de testemunhas quer através de documentos.

Uma vez reconhecido o direito a rescisão indireta, o trabalhador terá direito a todas as verbas rescisórias devidas inclusive a multa fundiária (40% do FGTS), como se demitido, sem justa causa, houvesse sido.

Dentre as situações que ensejam o pedido judicial para reconhecimento e declaração da rescisão indireta do contrato de trabalho, estão aquelas estabelecidas no art. 483 da CLT, que preconiza:

         “Art. 483 - O empregado poderá considerar rescindido o contrato e pleitear a devida indenização quando:

         a) forem exigidos serviços superiores às suas forças, defesos por lei, contrários aos bons costumes, ou alheios ao contrato;

         b) for tratado pelo empregador ou por seus superiores hierárquicos com rigor excessivo;

         c) correr perigo manifesto de mal considerável;

         d) não cumprir o empregador as obrigações do contrato;

         e) praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas de sua família, ato lesivo da honra e boa fama;

         f) o empregador ou seus prepostos ofenderem-no fisicamente, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

      g) o empregador reduzir o seu trabalho, sendo este por peça ou tarefa, de forma a afetar sensivelmente a importância dos salários.

      § 1º - O empregado poderá suspender a prestação dos serviços ou rescindir o contrato, quando tiver de desempenhar obrigações legais, incompatíveis com a continuação do serviço.

        § 2º - No caso de morte do empregador constituído em empresa individual, é facultado ao empregado rescindir o contrato de trabalho.

         § 3º - Nas hipóteses das letras d e g, poderá o empregado pleitear a rescisão de seu contrato de trabalho e o pagamento das respectivas indenizações, permanecendo ou não no serviço até final decisão do processo. (Incluído pela Lei nº 4.825, de 5.11.1965)”.

Em ocorrendo as hipóteses abrangidas pelas letras "d" e "g", o trabalhador poderá pleitear a rescisão de seu contrato de trabalho e o pagamento das respectivas indenizações, permanecendo ou não no serviço até final decisão do processo.

Nas demais situações, o trabalhador deverá retirar-se da empresa, sob pena de não ser reconhecida sua reclamação.

Uma última observação merece ser feita, quando o trabalhador sentir que teve o seu direito violado pelo empregador, deve procurar a Justiça do Trabalho imediatamente, pois, do contrário entende-se que houve o perdão tácito não mais podendo pleitear a rescisão indireta.

 

Voltar